sábado, 6 de dezembro de 2008

[Inhotim] 1.4

Bebendo da fonte


D’águadáguadafonte cai no rio sujaágualimpa que refrescalma
Lavando a paixão num momento sem paláguas
Sem gestos negroscontornos
Suaves gestos


ONde se protesta também se anda de bicicleta por onde andamos podemos pensarprotestos.


















Chupar um fruto donde as bromélias de Burle contornam lagos.
Molhados espelhos refletem luzes verdes entre folhasrosas.
Raras belezas, raros prazeres
Assim de um modo lento
Ficamos parados
Só e a sós
Livres pra parar e não fazer nada
Melhor olharmos em volta
E procurarmos nósasós


Vire-se e se sinta difícilduro de mover-se
Pare e não faça nada
Nada.

5 comentários:

Polly Etienne disse...

gostei das esculturas:)
bjao

kennedy rafael disse...

sim muito lindas Pollys

Dani disse...

Que texto mais louco!
Acho as coisas que vc escreve tão divertidas,mas também estranhas, desconexo ecom nexo.
Entende, né?!
Beijo!

kennedy rafael disse...

Não!

Polly Etienne disse...

ei sumido!! que seu 2009 seja cheio de boas surpresas!!!
bjao