quinta-feira, 3 de setembro de 2009

oLHE A SuA VoLTA


Poeira? Grãos de areia? Sucata? Arame? Linhas? Lixo? Peças de quebra-cabeça? Soldadinhos de brinquedo? Insetos? Açucar? Qual caminho seguir? Ontem foi a vez de Vik Muniz. Na exposição VIK.
O mestre do discarte. A essa visita tive a infalível companhia da minha grandona amiga Dani. Quando percebeu ela que toda a obra de Vik Muniz era descartada, se mostrou intrigada. Como assim? Paara! Ele não guarda nada? Tantas obras lindíssimas e logo depois joga tudo fora? Que coisa mais sem sentido. Pois é do desprendimento dele com suportes, técnicas e materiais que eclode seu gênio. Sua obra é fotografia, é documento, do que se trata? Ele mesmo não a define. Apenas se diz apaixonado pela fotografia e a usa como ferramenta pra expressar sua arte. Com sua sensibilidade singular constrõe obras, as vezes minimalistas, as vezes complexas num processo de construção e desconstrução que se intercalam, vem e vão em suas diversas telas expostas.

Aqui uma homenagem ao mestre Leonardo. Doce de leite e geléia. Ta servido?

O traço se faz presente sem nunca ter sido executado. Desenho.

Num ataque de Dali ele coloca um avião a dar piruetas criando figuras. São pequenas nuvens que desenhamos quando crianças no jardim - é como chamavamos na minha época. Na real tem dimenções gigantescas mas aprisionadas no enquadramento se tornam icones. Na exposição rola um vídeo onde podemos ver o trabalho que deu pra produzir estes simples traços no céu azul, infinito azul. Neste vídeo documentário ele descorre sobre seu processo criativo e tira as dúvidas que surgem em nossa mente, como no caso de Dani.

Nesse trabalho ele utiliza sucata recolhida por jovens que sobrevivem como catadores, segundo ele, numa das piores condições em que já pode encontrar um ser humano. Obras que transformam a vida e iluminam a alma.

Finalmente um trabalho iconográfico que ainda não entendi direito. Voltarei em breve pra me satisfazer com grãos de areia.

4 comentários:

baquedeguerra disse...

Cara!!! bem loco...
é primeira vez q vejo uma obra onde posso comer a monalisa .hehehe

kennedy rafael disse...

Num tem cheiro, nem odor. Mas c pode fazer em casa e se deliciar com um banquete docin uai. Abraço.

Dani disse...

KKKKKKKKKKKKKK
Adorei o comentário do amigo "baquedeguerra", ótimo!
A visita foi muito legal, na verdade inusitada, supreendente, sei lá, tudo de bom.

Adorei seu texto garoto, beijo!

Ah obrigada por mais uma tarde especial!!!

kennedy rafael disse...

Valeu minina! Adorei a companhia tamem. O maluco ai em cima é o Alê, malabares de primeira estirpe. Bjo.