segunda-feira, 28 de maio de 2007

Nave Mãe







Som embaçado
Pesado
Vindo de um outro lado
Considere os seus dois ouvidos
Privilegiados

Estilo alternativo
Trazendo um novo tema
Não sou ladrão de cinema
Mas eu chego e roubo a cena

Poder não é coroa
Eu sei, eu não sou rei
Mas pego o microfone
Como um grafiteiro pega um spray

Eu viro
Dj’s e B’Boys vem ao auxílio
Hip Hop segue avante
Como o trem segue no trilho

È sujo, o lado
O som já ta ligado
Não faço ele por dinheiro
Muito menos por status

Canto por gostar
Por amor, por emoção
As batidas batem
Como batem o meu coração

Em coordenação
Dos lábios para os tímpanos
Em qualquer situação
O Rap pra mim é hino

E alastro como flash
Partindo do lado oeste
Raciocino rápido
Como D’jay fazendo squash

Estilo diferente
Quente como água ardente
Amizade é o fruto
E a humildade a semente

Que eu planto
E rego quando eu canto
Meus males eu espanto

Meu som vem pra agradar negros

Psico 13 na ativa
Chama acesa, esperança viva
Carga positiva, fragância
Bomba auditiva

Que ativada
Não desativa mais
O Rap é pra vagabundo
E o espinafre é pro Popay

Novo estilo, nova saga
Que surgiu na terra
Hip Hop nave mãe pousada
Na atmosfera

Seu ouvido assimila
Vocês se desesperam
O Rap à tona acorda
Até quem tá em coma
E se prolifera

Novo estilo, nova saga
Que surgiu na terra
Hip Hop nave mãe pousada
Na atmosfera

Seu ouvido assimila
Vocês se desesperam
O Rap à tona acorda
Até quem tá em coma
E se prolifera

MC’s ao ataque
De skate ou de bike
Descalço ou de nike
Ninguém segura o baque

MC’s ao ataque
De skate ou de bike
Descalço ou de nike
Ninguém segura o baque

Enpenhando ao máximo pra fazê
Um som de qualidade
Cinco anos de estrada
Aos dezoito de idade

Talento aprovado
Sem selo do InMetro
A magia que transforma
Um centímetro em um metro

Reis dos Reis, Mestre dos Magos
Num instante diversos aspectos
Derrubo meus inimigos na lona
Como inseticida derruba insetos

Em ascenção, eu sou Indião
Na figura de um vulcão
Minha rima é com lava
Estou em erupção

Vocês vão dizer que minha letra
Não tem nexo
Mas tamém pra quem é burro
Tudo é complexo

Em anexo,
O que eu penso
É fonte de inspiração
Vejo uma estrela que brilha
Numa vasta constelação

Invasão em massa
Coberta por fumaça
Teu estilo olho vermelho
E a mente aguçada

Da rua, pra rua
Aonde agente atua
Então conclua
O Hip Hop avança
E não recua

Destruindo velhas mentiras
Construindo novas verdades
Sobrou genialidade
O som surge e invade a cidade

O Rap ataca, ataca
E contra-ataca
E nos safados
Pà, pá, pá

Novo estilo, nova saga
Que surgiu na terra
Hip Hop nave mãe pousada
Na atmosfera

Seu ouvido assimila
Você se desespera
O Rap à tona acorda
Até quem ta em coma
E se prolifera

Novo estilo, nova saga
Que surgiu na terra
Hip Hop nave mãe pousada
Na atmosfera

Seu ouvido assimila
Você se desespera
O Rap à tona acorda
Até quem ta em coma
E se prolifera

Sem arrancar seu tênis
Arranco a sua meia
Cauteloso como a aranha
Cautelosa pela teia

Ágio
Você e seus amigos
São presa fácil
Para o predador
Que ataca pelo rádio

Levada fluente
Como água de cachoeira
As rimas saem dos meus lábios
Como água sai da torneira

Canabis, sonseira, zoeira
A semana inteira
Mesmo que não queira
De segunda a sexta-feira

Essencial
Como uma caneta num autógrafo
Rápido como The Flash
Como Flash
De um fotógrafo

Quem foi que disse
Que o Hip Hop era tolice

Pop, fock, fock
De político e polícia

Arte feita por Disc Joqueys
E Mestre de Cerimônia
Soltos por São Paulo
Como os leões estão soltos pela Amazônia

Minhas metáforas te fazem pensar
Te deixam até com insônia
Alucinado
Como se tivesse ingerido amônia

Meus bits te deixam
Num estado de euforia
A cada segundo, a cada minuto
A cada dia

Da cultura das elites
Essa foi a minha escolha
Hip Hop, quatro elementos
O meu trevo de quatro folhas

Entretenimento, manifesto
Resistência, escudo humano
Trem desgovernado, enlutado
Que vai devastando

Como lobo solitário
Uivando eu vou cantando
Me inspirando nas estrelas
Que sempre estão brilhando

Novo estilo, nova saga
Que surgiu na terra
Hip Hop nave mãe pousada
Na atmosfera

Seu ouvido assimila
Vocês se desesperam
O Rap à tona acorda
Até quem ta em coma
E se prolifera

Novo estilo, nova saga
Que surgiu na terra
Hip Hop nave mãe pousada
Na atmosfera

Seu ouvido assimila
Vocês se desesperam
O Rap à tona acorda
Até quem ta em coma
E se prolifera


Novo estilo, nova saga
Que surgiu na terra
Hip Hop nave mãe pousada
Na atmosfera

Seu ouvido assimila
Vocês se desesperam
O Rap à tona acorda
Até quem ta em coma
E se prolifera

Novo estilo, nova saga

Que surgiu na terra

Hip Hop nave mãe.

Indião

2 comentários:

Thiago Lacerda Ricardão disse...

oi kennedy bundinha flácida, de quem é essa letra?

kennedy rafael disse...

o cara se chama indião e mora na zona oeste de sampa. eh uma trupe q se denomina boca do lixo. tenho essa musica se quiser te mando. abraaaço.