quinta-feira, 31 de maio de 2007

Toulouse-Lautrec - Art Nouveau Designer



Nascido na nobreza francesa, possuía uma linha de ancestrais de nomes gloriosos. Seu pai era o conde Aphonse de Toulouse-Lautrec-Monfa, e sua mãe Adéle Tapié de Céleyran. Queriam seus pais que o filho seguisse com esmero o mesmo caminho nobre de toda a sua família, tanto materna quanto paterna. Certamente queriam eles que Henri se tornasse um excêntrico caçador de falcões, mimado pelos caprichos da corte. Porém, desde jovem, o rapazinho desprezava a opulência, considerando-a enfadonha.
Toulouse-Lautrec sofria de uma doença desconhecida em sua época. Certamente uma distrofia poli-hipofisária, ou seja, um desenvolvimento insuficiente de certos tecidos ósseos. Sofre dois acidentes em sua juventude e acaba fracturando o fémur esquerdo e direito respectivamente. Os ossos mal soldados fazem com que Henri não ultrapasse a altura de 1,52m. Porém, o jovem não se deixa abater por tal infortúnio. Em seus longos períodos de cama, Toulouse-Lautrec faz desenhos e pinta aquarelas, abrindo espaço para seu incrível talento que ainda se desfraldaria.
Aos dezesseis anos, vai estudar pintura com Léon Bonnat, professor rígido que não o agrada. Logo depois vai estudar com Fernan Cormon, cujo estúdio ficava nas ladeiras suburbanas de Montmartre, em Paris. É lá que Lautrec descobre a inspiração que lhe faltava. Muda-se para aquele bairro de má fama e encontra seu lugar entre trabalhadores, prostitutas e artistas de caráter duvidoso. Começava sua nova vida.
Frequentador assíduo do Moulin Rouge e outros prostíbulos, o pequeno nobre acaba se acomodando muito bem naquele ambiente tão estranho que seus pais nunca aceitaram em ter o filho. O tema principal das pinturas de Toulouse-Lautrec era a vida boémia parisiense, que ele representava através de um desenho que lembra a espontaneidade do desenho satírico de Honoré Daumier, e uma composição dinâmica que poderia ter sido influenciada pela fotografia e as gravuras japonesas , dois fatores de grande importância cultural no fim do do século XIX.
Testemunha da vida nocturna de Montmartre, Henri não apenas faz pinturas, como também cartazes promocionais dos prostíbulos e teatros, fazendo-se presente na revolução da publicidade do século XIX. O cartaz litográfico colorido é uma nova ferramenta de divulgação de locais de lazer parisienses. Trilhando o caminho de Jules Chéret, assim como Alfons Mucha, Toulouse-Lautrec revolucionou o design gráfico dos cartazes, definindo o estilo que seria conhecido como Art Nouveau.

5 comentários:

Tatiana Campos disse...

Interessante!

kennedy rafael disse...

num eh bacana mina

Nado disse...

resumo mto bem feito!!!!!

Anônimo disse...

Muuuito bom ;D

Anônimo disse...

ctrl c + ctrl v da wikipedia... pqp